Covid-19Imobiliárias

Empresas do setor imobiliário aderem ao home office por tempo indeterminado

Com a imprevisibilidade da duração da pandemia no Brasil e sem uma perspectiva de vacina para a Covid-19, empresas brasileiras e estrangeiras aderem ao home office mais longo. É o caso da CUPOLA, consulgência especialista em marketing imobiliário e produtora do Imobi Report, que aderiu ao modelo remoto até dezembro de 2020 e abriu a possibilidade de os colaboradores trabalharem na modalidade indefinidamente.

“Para tomar uma melhor decisão sobre o trabalho remoto ou presencial, ouvimos nossos colaboradores. Fizemos uma pesquisa questionando como a modalidade home office está funcionando para eles, e a maioria votou por continuar trabalhando  remotamente”, conta Rodrigo Werneck, CEO da CUPOLA, que também ofereceu um bônus de R$ 250 a colaboradores que tiveram perda de renda familiar.

O QuintoAndar fez a mesma movimentação. Mesmo que haja flexibilização ou encerramento da quarentena, o home office foi ampliado até dezembro e colaboradores que preferirem trabalhar no formato definitivamente, poderão fazê-lo. O unicórnio ainda disponibiliza ajuda de custo para cobrir os gastos com internet ou equipamentos necessários para apoiar o trabalho de casa. “Como a situação ainda não se estabilizou e estamos funcionando bem com trabalho remoto, vamos ficar em casa para manter todo mundo protegido”, diz Gabriel Braga, co-fundador e CEO do QuintoAndar.

O QuintoAndar já prevê a readequação do layout e higienização dos escritórios para os colaboradores que precisem trabalhar presencialmente. A CUPOLA também abriu a possibilidade do trabalho no escritório, mas com limite de pessoas por salas – garantindo, assim, a segurança dos colaboradores.

O movimento acontece em todo o mundo: na Zillow, maior portal imobiliário e marketplace de locação dos Estados Unidos, mais de 5 mil colaboradores irão trabalhar de casa até o final do ano.