fbpx

Imobi Report

[110] Imóveis de luxo na imprensa, na Netflix e no Imobi Experts

Imobi Report
Escrito por Imobi Report em 20 de abril de 2021
15 min de leitura
[110] Imóveis de luxo na imprensa, na Netflix e no Imobi Experts
Toda semana, no seu e-mail.

Assine gratuitamente a principal newsletter do mercado imobiliário brasileiro.

Na última semana, o boom do mercado imobiliário de luxo foi pauta de grandes portais nacionais. O Estadão produziu reportagem que explica fatores que levaram à alta do segmento, como o isolamento social (e seus impactos no home office, no home schooling e no fechamento das fronteiras, por exemplo), juros baixos e alta do dólar. A reportagem traz dados do Secovi-SP que apontam que as vendas de imóveis avaliados em mais de R$ 900 mil na capital aumentaram o dobro da média do mercado, com altas de 32,1%.

Já a Época Negócios publicou uma entrevista com Marcello Romero, CEO da Bossa Nova Sotheby’s International Realty. Quando questionado se esse boom se sustenta, Marcello diz que “o mercado imobiliário continuará sendo uma oportunidade e deve se manter aquecido, especialmente o segmento de alto padrão”.

Marcello Romero é um dos speakers do Imobi Experts Imóveis de Luxo e Alto Padrão, evento promovido pelo Imobi Report, em parceria com a CUPOLA. A grade completa do conteúdo você confere aqui. Nesta quarta-feira, 21, o primeiro dia do evento traz palestras e mesas gratuitas com especialistas do mercado. No segundo dia, o ingresso premium dá acesso às gravações do primeiro dia, mais conteúdos exclusivos, como um role play com o corretor de alto padrão Guilherme Wohlke, além de uma palestra com Michael Valdez, presidente da eXp Global, e workshop de marketing para lançamentos imobiliários. O ingresso para o segundo dia do evento está no valor promocional, de apenas R$ 47. No dia do evento, vai aumentar. Aproveite que ainda dá tempo de se inscrever com desconto.

Incorporadoras

Falando em empreendimentos de luxo, em Porto Alegre, começou a ser comercializado um empreendimento da Cyrela com design da Pininfarina, grife que assina para a Ferrari. Este é o terceiro empreendimento no Brasil assinado pela empresa e o primeiro fora de São Paulo. A colunista Marta Sfredo chama atenção para o fato de que as unidades têm valor equivalente de quatro a 12 Ferraris

Nem mesmo a pandemia de Covid-19 conseguiu deter a expansão do mercado imobiliário em 2020. Pelo contrário: no ano passado, o setor registrou recorde anual nos lançamentos e unidades comercializadas. De acordo com o Indicador de Vendas da Abrainc e Fipe, a alta nas vendas foi de 26,1% e, nos lançamentos, 1,1%, os maiores resultados desde 2014.

Balanços do primeiro trimestre das principais incorporadoras brasileiras indicam que o setor continua aquecido neste início de 2021. Somando todas as incorporadoras que já tinham apresentado prévias operacionais até a última sexta-feira, com exceção da MRV, houve uma expansão de 49,3% nas vendas realizadas nos três primeiros meses deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo matéria do Valor Econômico. A mesma publicação detalha os resultados obtidos por todas as companhias que já tinham divulgado seus balanços até aquela data. 

Os destaques dos balanços já divulgados ficam com Moura Dubeux, MRV e Cury. Apesar de ter adiado dois projetos para abril, as vendas e adesões da incorporadora pernambucana chegaram a R$ 244,1 milhões no primeiro trimestre, o que representa uma alta de 272,8% em relação ao mesmo período do ano passado. Com isso, analistas projetam alta de até 85% nas ações da Moura Dubeux. Já os lançamentos da MRV somaram R$ 1,7 bilhão nos primeiros três meses do ano, uma alta de 58% em relação ao primeiro trimestre do ano passado, registrando o maior volume de lançamentos da história da empresa. Subsidiária da Cyrela, a Cury atingiu valor recorde de vendas de R$ 590 milhões no primeiro trimestre, com o lançamento de seis empreendimentos, três em São Paulo e três no Rio de Janeiro. 

O segundo trimestre também promete ser promissor em São Paulo, agora que os estandes estão sendo reabertos, após as restrições impostas pelo Governo do Estado nas últimas semanas, fazendo com que alguns lançamentos previstos para março fossem adiados para abril. 

Outra novidade que deve contribuir para o aquecimento do mercado neste ano é o lançamento de um novo plano habitacional da Caixa, com crédito imobiliário sem valor de entrada. Enquanto isso, o Casa Verde e Amarela apresenta seus primeiros resultados. O principal deles é a adesão de mais de 800 municípios à proposta de regularização fundiária urbana prevista no programa. De acordo com matéria publicada pelo Estadão, a expectativa do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) é regularizar mais de 100 mil imóveis até o final de 2021. 

Já o financiamento imobiliário promete bater novo recorde em 2021. Projeções da Abecip indicam que as novas concessões de crédito podem fechar o ano com um volume de R$ 160 bilhões, o que representaria uma alta de 27% em relação ao ano passado. O principal obstáculo para que isso ocorra é a possível alta da Selic ao longo do ano. Para os contratos de financiamento que já estão em vigor, há ainda outro desafio: a alta do IPCA, utilizado para correção de valores em algumas das modalidades de financiamento lançadas nos últimos anos. 

Para os fundos imobiliários, o cenário é diferente. Conforme estudo da Smartbrain, somente 34% deles tiveram desempenhos positivos no mês de março. Esse resultado aumenta para 40% se considerarmos o primeiro trimestre inteiro. Ainda assim, analistas afirmam que não é momento para desespero, mesmo para fundos de lajes corporativas, que tornaram-se menos atraentes aos investidores após os efeitos da pandemia. 

Mas, afinal, quem é o investidor imobiliário? Levantamento realizado pela Brain Inteligência Imobiliária traça o perfil dessa figura tão importante para o setor. O resultado da pesquisa é apresentado em artigo de Marcos Kahtalian, sócio-fundador da empresa, publicado na Gazeta do Povo. E, por falar em investidores, até a butique de gestão de fortunas Wealth High Governance (WHG), criada por ex-executivos do Credit Suisse, está montando um braço de investimentos imobiliários para entrar em operação no segundo semestre. Matéria do Estadão conta mais detalhes sobre esse novo negócio.

Imobiliárias

Nos últimos tempos, pudemos observar a ascensão das proptechs e a maior competição entre alguns players do mercado imobiliário de compra e venda. O grande aporte da Loft e a compra da Casa Mineira pelo QuintoAndar são exemplos desse movimento. O Imobi procurou empresas tradicionais, consolidadas no segmento de compra e venda para comentar esse momento que passamos. Entrevistamos os CEOs da RE/MAX e Brasil Brokers para saber como elas veem as plataformas digitais de venda.⠀

E falando em QuintoAndar, desde janeiro de 2020, quando começou sua operação de compra e venda de imóveis, o unicórnio vendeu mais de 2 mil imóveis em São Paulo e no Rio de Janeiro. Arthur Malcon, head de Compra e Venda do QuintoAndar, contextualiza: “o segmento de vendas é um dos nossos principais pilares estratégicos para este ano, e estamos trabalhando para aprimorar ainda mais nosso serviço e dar a melhor experiência para os nossos clientes”.

O projeto de lei que define teto para reajuste de aluguel está dando o que falar. O texto ganhou prioridade nas votações da Câmara. O Estadão traz uma tabela comparando o IGP-M com o IPCA e o ponto de vista de alguns representantes do mercado, que são críticos da proposta. Para José Roberto Graiche Júnior, presidente da Aabic: “É um absurdo, populista demais que engessa o mercado”. Já Luiz França, presidente da Abrainc: “Esse tipo de intervenção no mercado traz insegurança jurídica para os investidores, afetando proprietários de imóveis, fundos imobiliários e demais instrumentos lastreados em recebíveis imobiliários”.

A locação por períodos entre 3 meses e 1 ano não está contemplada pela Lei do Inquilinato (Lei 8.245/91) e o tema tem gerado discussão junto a imobiliárias, startups e agentes do mercado que atuam com modalidades mais flexíveis de locação. Buscando entender a melhor solução para esse problema, o Imobi entrevistou Gustavo Kloh, professor da FGV Direito Rio e membro do IBRADIM, que é especialista no assunto.

Techs

Na Exame, reportagem traz o histórico da Loft e conta como a startup deixou de ser um negócio exclusivo de iBuyer e passou a se posicionar como marketplace. Assim, alcançando o posto de 3º maior unicórnio do país, atrás de Nubank e Wildlife. Mas isso não quer dizer que a startup largou o negócio de iBuying: inclusive, a Loft anunciou a captação de R$ 300 milhões por meio de fundo imobiliário para adquirir, reformar e revender imóveis em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Paulo Bichucher, diretor de operações e cofundador da Yuca, fala sobre os planos da startup para a Exame: “Não nascemos para fazer compartilhamento, mas para entregar apartamentos incríveis a preços incríveis. Essa mudança para um foco mais amplo de imóveis se mantém em linha com nosso propósito inicial”.

A Fix, plataforma de reformas, manutenção e serviços, está planejando sua expansão para Belo Horizonte. Atualmente, a startup atua em Curitiba, Porto Alegre e São Paulo. Um dos serviços ofertados pela Fix é integrar os formulários de requisição de reformas no portal das imobiliárias, onde o cliente pode enviar fotos, vídeos ou áudios demandando o serviço de manutenção. O chamado é avaliado conforme a responsabilidade do conserto, o cliente responsável pelo pagamento recebe orçamentos de prestadores certificados pela plataforma. 

Enquanto o isolamento social ainda não permite lançamentos presenciais dos empreendimentos, incorporadoras e imobiliárias estão apostando nos lançamentos digitais. A Facilita, startup de gestão de venda de imóveis 100% digital, observa o crescimento da demanda por seus clientes. A Opus, construtora de Goiânia focada em empreendimentos de alto padrão, é um exemplo: vendeu 90% de suas unidades disponíveis em apenas sete dias, após lançamento digital.

Mundo

O Tribunal Constitucional da Alemanhaanulou a lei de Berlim que iria congelar o valor dos aluguéis na cidade por cinco anos, até 2025. A medida, que buscava controlar a disparada de preços na capital, foi considerada inconstitucional pela corte, pois a cidade não tem autoridade para impor tais regras, que são de jurisdição do governo federal. O ministro da economia, por sua vez, já descartou a possibilidade da criação de um teto nacional para o aluguel e afirmou que a única maneira de garantir moradias populares seria com a construção de mais apartamentos. Agora, os inquilinos poderão ter que pagar o valor retroativo do ano em que o aluguel não foi ajustado, dependendo da negociação com os proprietários de seus imóveis.

Com a recuperação do mercado imobiliário americano, o país enfrenta a falta de estoque. Brad Inman, fundador do Inman, traz um artigo sobre o tema, no qual discorre como um dos problemas do mercado imobiliário do mercado imobiliário atual são os investidores. Trazemos um trecho: “Vinte pessoas foram convidadas (para sua festa), mas você só tem uma pizza de 12 pedaços. O que você faz? Asse mais pizzas. Aí, construa mais moradias. Mas e os convidados indesejados, o que eles estão fazendo aqui e por que às vezes são os primeiros a receber essa pizza? No momento, o mercado imobiliário tem uma grande quantidade de hóspedes indesejados em uma das piores carências de moradias da história da América. Um dos motivos é que os compradores de casas tradicionais estão, em alguns casos, sendo deixados de lado à medida que novos tipos de compradores corporativos entram no mercado. Todo mundo quer uma fatia do mercado imobiliário americano. A lista é longa. A Zillow Offers está comprando casas. Offerpad, Opendoor e uma série de outros iBuyers estão adquirindo casas. Empresas com novos modelos de negócios como a Pacaso estão comprando casas em nome de compradores de casas de férias. Todas essas empresas têm bilhões para investir. (…) seu alcance e poder de compra são impressionantes. Além disso, como o mercado é competitivo, eles provavelmente pagarão mais em algum momento, excluindo os consumidores”. Em inglês e restrito para assinantes, mas vale a leitura.

Estamos de Olho

Você sabe o que é retrofit? Apesar de ser um conceito relativamente conhecido no mercado imobiliário, ainda há dúvidas a respeito de sua definição e de como ele se difere de outros conceitos, como restauração e reforma. Por isso, a equipe do Imobi Report preparou um conteúdo exclusivo sobre o assunto, que mostra o potencial do retrofit no Brasil. A reportagem do Imobi também traz exemplos de empreendimentos que já utilizam essa técnica, executados pelas incorporadoras Bauten Incorporações, GT Building e RJZ Cyrela. 

Aliás, matéria publicada pela Veja nesta semana também mostra como a vacância de edifícios comerciais ocasionada pela pandemia pode contribuir para essa tendência em todo o mundo, desde Barcelona e Nova York, até mesmo no Rio de Janeiro. 

Pornô imobiliário. Este foi o termo criado para definir o hábito de assistir a programas de decoração ou reality shows que mostram mansões e outros imóveis de luxo ao redor do mundo, justo em meio à pandemia, em que muita gente está confinada dentro de seus pequenos apartamentos. Pensando nesse público, a Folha até publicou um guia com indicações de programas desse tipo, que estão disponíveis em plataformas de streaming ou no Youtube e vão desde o programa “Casa Brasileira”, do GNT, passando por “As Casas Mais Extraordinárias do Mundo”, disponível na Netflix, até chegar a “Mansões de Praia”, também disponível na mesma plataforma de streaming. Ao todo, são 15 sugestões para quem curte esse tipo de diversão. 

A Sigafy, corretora de seguros, lançou a Locação Solidária, campanha que vai doar alimentos a famílias necessitadas por conta dos efeitos da pandemia do coronavírus. Em parceria com seguradoras, a Sigafy vai doar uma cesta básica a cada contratação de garantia locatícia (seguro-fiança ou título de capitalização) pelas imobiliárias clientes. O custeio das doações será dividido entre a Sigafy e a seguradora responsável pela garantia e a entrega das cestas será feita por meio de ONG parceira. A campanha Locação Solidária estará ativa até o dia 15 de maio.

A eXp Realty, imobiliária norte-americana, chegou ao Brasil no início do ano e começou atuando em São Paulo. Agora, anuncia a expansão de suas atividades no país para os estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Para comemorar o lançamento das operações nos estados, a eXp realiza um webinar hoje, às 19h. Ainda dá para se inscrever, gratuitamente. A empresa também está com uma campanha de isenção da taxa de associação e de taxa mensal para aqueles que se associarem até 30/04. As condições serão explicadas no webinar e estão disponíveis aqui

Do abre ao final desta newsletter, luxo é a palavra da vez. E Fernando Montenegro, CEO da Seed Incorp, construtora e incorporadora que atua com casas de alto padrão em condomínios fechados em bairros nobres de São Paulo é o convidado da semana no podcast “Vem pra Mesa”. O programa é apresentado por Sergio Langer, que semanalmente traz entrevistas com grandes nomes do mercado imobiliário.

E lembrando que o Imobi Report também tem um podcast próprio, o “Semana Imobi”. Nosso time de jornalistas comenta, todas as sextas-feiras, os principais destaques da nossa newsletter da semana – um podcast bom para ouvir as notícias do Imobi lavando a louça e se atualizando sobre o mercado.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

5 1 vote
Avaliação do artigo
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x