DestaquesImobiliáriasInovação

Startup lança inteligência artificial voltada para aprovação de contratos de aluguel

Com o objetivo de aumentar a capacidade de aprovação dos contratos de aluguel, a startup Alpop lançou a Tupinambá, ferramenta de inteligência artificial. Por meio da IA, a ideia é apoiar imobiliárias e inquilinos na jornada de locação, além de contribuir com o aspecto social do acesso à moradia, ajudando o público que não consegue ter seu cadastro aprovado pelos meios tradicionais.

Segundo a Alpop, a ferramenta também combaterá o cenário de retração de locações, que acontece devido ao avanço da inadimplência e queda no crédito. 

De acordo com dados Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, 77,9% das famílias estavam endividadas em 2022. Como reflexo disso, várias empresas do segmento de locação (de imobiliárias a garantidoras) reportaram níveis entre 15% e 20% de inadimplência nos contratos de aluguel.

Por conta deste movimento, as garantidoras passaram a rever suas políticas de concessão de crédito e isso tornou o mercado mais restrito nos processos de aprovação cadastral, já que os agentes garantidores não estavam mais dispostos a correr maiores riscos. Naturalmente, as imobiliárias passaram então a buscar diversificação e novas possibilidades para que os negócios continuassem a se efetivar.

Inteligência artificial será treinada conforme a realidade de cada imobiliária

Segundo Caio Belazzi, CEO da Alpop, a proptech tem como premissa o entendimento de que mercado imobiliário é pulverizado e cada imobiliária possui um universo específico em termos de processos, tecnologias, pessoas e riscos. A partir disso surgiu a ideia de desenvolver uma IA capaz de aprender e lidar com a realidade de cada imobiliária e apoiá-las nas tomadas de decisão.

“Ficamos muito atentos a este movimento do mercado e às variáveis macro e microeconômicas do Brasil. Desde novembro de 2022, passamos a estudar alternativas para continuarmos a avançar nosso modelo analítico, com o objetivo de aumentarmos nossa capacidade de aprovação e, ao mesmo tempo, entregarmos níveis controlados de risco, até que chegamos, agora, na Tupinambá”, afirma Belazzi, acrescentando que o nome escolhido é uma homenagem aos povos originários do Brasil. 

Ainda de acordo com o executivo, para os próximos meses, a expectativa é que a Tupinambá tenha capacidade analítica para identificar os bons clientes e, com isso, entregar competitividade para as imobiliárias parceiras. 

* Este conteúdo é patrocinado por Alpop.